Indústria 4.0: Na interseção de prontidão e responsabilidade - Safetec
(81) 3126-4100 [email protected]

Este artigo, escrito por Punit Renjen da Deloitte, nos traz dados baseados na pesquisa anual da Deloitte Global sobre a preparação das empresas para uma era conectada. Veja abaixo a tradução do artigo:

A jornada empresarial para equilibrar lucro e propósito está se acelerando. Um foco mais nítido na estratégia e uma adoção mais ampla de tecnologias transformacionais que beneficiam os negócios e a sociedade ajudarão as organizações a chegar lá mais rápido.

Há quem argumente que as corporações devem se empenhar pelo lucro acima de tudo, que ganhar dinheiro para os acionistas é a única razão de ser da empresa. Mas, à medida que a transformação para a Indústria 4.0 continua, mais líderes de negócios estão começando a ver uma imagem e responsabilidade maiores.

Com base no movimento de responsabilidade social corporativa da última geração, uma nova forma de capitalismo parece estar emergindo, que considera um grupo mais amplo de partes interessadas e mede o impacto social ao lado do desempenho financeiro. Em agosto de 2019, os CEOs de quase 200 empresas multinacionais assinaram uma declaração pública emitida pela Business Roundtable, comprometendo-se a liderar suas empresas para o benefício de clientes, funcionários, fornecedores e comunidades, além de acionistas. 

Ao trabalhar para acompanhar o ritmo das mudanças tecnológicas, os líderes empresariais também estão começando a reconhecer a necessidade de nutrir uma cultura de aprendizagem ao longo da vida, equipando sua força de trabalho com as habilidades necessárias para ter sucesso no futuro. E graças em parte à pressão de clientes e funcionários, os executivos estão expressando profunda preocupação com as mudanças climáticas e a escassez de recursos, tópicos que faziam parte das agendas de poucos executivos há apenas alguns anos.

Na terceira pesquisa anual da Deloitte Global com mais de 2.000 executivos em 19 países, examinamos a interseção de prontidão e responsabilidade para ver como os líderes estão equilibrando essa transição para a Indústria 4.0 – capitalizando tecnologias avançadas para ajudar a impulsionar seus negócios enquanto agem de forma mais socialmente responsável, principalmente na área de gestão ambiental.

À medida que as empresas enfrentam essas novas realidades, os líderes buscam a abordagem certa para quatro áreas essenciais para a Indústria 4.0: estratégia, impacto social, talento e tecnologia. Descobrimos que algumas empresas, especialmente aquelas com uma estratégia abrangente da Indústria 4.0, estão tendo um bom desempenho, enquanto outras ficam para trás. O relatório deste ano destaca algumas das principais tendências e percepções:

  • Quando a estratégia lidera, o sucesso segue. A visão de curto prazo e a luta para desenvolver estratégias holísticas eficazes que aproveitem as vantagens das tecnologias da Indústria 4.0 – identificadas no relatório do ano passado – continuam, em detrimento das operações de muitas organizações. Dois terços dos CXOs disseram que suas empresas não têm estratégias formais ou estão adotando abordagens ad hoc. Por outro lado, apenas 10 por cento dos CXOs disseram ter estratégias de longo alcance para alavancar novas tecnologias que alcançam suas organizações.

Isso é lamentável, porque os dados da pesquisa sugerem que as empresas com estratégias abrangentes da Indústria 4.0 são muito mais bem-sucedidas em todos os setores. Eles estão inovando e crescendo mais rápido, integrando com sucesso as tecnologias da Indústria 4.0 e fazendo um trabalho melhor para atrair e treinar as pessoas de que precisarão no futuro. Sua liderança também está mais confiante em relação à liderança na era da Indústria 4.0.

  • Reconhecimento da responsabilidade social da empresa. Há ampla evidência de que a maioria das empresas está começando a tentar encontrar um equilíbrio entre lucro e propósito, em grande parte graças ao aumento da pressão de clientes, funcionários e outras partes interessadas. Na verdade, quase quatro em cada dez entrevistados disseram que se concentram em questões sociais porque é uma prioridade para as partes interessadas externas.

Quase 70% daqueles que integraram a Indústria 4.0 em suas estratégias disseram que fizeram um grande progresso em relação ao seu objetivo de obter lucro e, ao mesmo tempo, contribuir positivamente para a sociedade, contra 10% que não têm estratégias.

É revelador que quase todos os líderes empresariais que pesquisamos temem que os efeitos das mudanças climáticas possam afetar negativamente suas organizações, e metade cita o combate às mudanças climáticas como a principal prioridade de sua geração. Os líderes empresariais aceitam a responsabilidade de agir e muitos estão implementando programas que abordam a escassez de recursos e a sustentabilidade ambiental. Mais de 90 por cento dos entrevistados disseram que suas empresas têm iniciativas de sustentabilidade em vigor ou na prancheta.

  • Compromisso com treinamento e desenvolvimento. As organizações continuam a lutar para garantir que sua força de trabalho possua as habilidades necessárias para ter sucesso em um ambiente da Indústria 4.0. Apenas ⅕ dos executivos concordou totalmente que suas organizações estão prontas no momento, e apenas 10% disseram que estão fazendo um grande progresso na identificação, atração e retenção dos talentos certos.

Curiosamente, porém, a responsabilidade pelo desenvolvimento de habilidades parece ter mudado. Um número crescente de líderes aceita a responsabilidade pelo desenvolvimento de sua força de trabalho, com menos executivos do que no ano passado colocando o ônus sobre o trabalhador individual. Mais de 80% dos entrevistados disseram que criaram ou estão criando uma cultura corporativa de aprendizagem ao longo da vida, com outros 17% planejando fazê-lo.

Parte do desafio: os executivos ainda não entendem totalmente as habilidades necessárias para ter sucesso no mundo da Indústria 4.0 em constante mudança. Seis em cada dez relataram investir significativamente para entender quais habilidades serão necessárias para o sucesso.

  • Um refúgio da interrupção. Embora as tecnologias da Indústria 4.0 tenham o potencial de interromper e transformar muitas áreas diferentes de negócios para melhor, os executivos não parecem estar aproveitando-as de forma tão ampla em suas organizações quanto poderiam.

Apenas 17% dos CXOs dizem que fazer investimentos eficazes em tecnologia da Indústria 4.0 é uma prioridade para sua organização, ocupando a posição mais baixa entre as 12 prioridades de investimento. E embora os líderes pareçam entender os méritos de adotar uma abordagem conectada e integrada para implementar tecnologias da Indústria 4.0, apenas 5% indicam um progresso significativo nessa área.

Dado o foco crescente das organizações no impacto social positivo, pode ser que os executivos explorem como as tecnologias da Indústria 4.0 podem ajudar a impulsionar essas iniciativas. No entanto, os executivos ainda precisam reconhecer ou abraçar o potencial das tecnologias da Indústria 4.0 para promover iniciativas sociais e ambientais: apenas um em cada cinco líderes afirma que está priorizando o investimento em tecnologias avançadas que tenham um impacto social positivo.

Como os executivos não estão usando totalmente a tecnologia para desorganizar e transformar suas próprias organizações, talvez não seja surpreendente que eles também não a estejam usando para desestabilizar os concorrentes. Quando apresentados a 10 resultados possíveis que os executivos pretendem alcançar com seus investimentos futuros na Indústria 4.0, apenas 3% mencionaram a interrupção dos concorrentes como um dos cinco principais resultados.

A pesquisa deste ano mostra como os objetivos de negócios tradicionais, as tecnologias transformacionais, as habilidades em evolução e as obrigações crescentes para um bem maior estão se cruzando. Algumas respostas, como aquelas que mostram uma aceitação do desenvolvimento do funcionário e das preocupações sociais, indicam progresso. Outros, como a persistência da visão de curto prazo e a relutância em abraçar totalmente as tecnologias da Indústria 4.0, parecem oportunidades perdidas. 

Em última análise, porém, a pesquisa sugere que a jornada empresarial para equilibrar lucro e propósito está se acelerando. Um foco mais nítido na estratégia e uma adoção mais ampla de tecnologias transformacionais que beneficiam os negócios e a sociedade ajudarão os CXOs a chegar lá mais rápido.

Saiba mais