Como definir Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças: exemplo
(81) 3126-4100 cloud@safetec.com.br

Quem nunca ouviu falar na famosa Matriz SWOT e como ela é usada no planejamento estratégico de diversas empresas?

Mas você sabe mesmo como usar as Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças para definir um plano estratégico, com ações e táticas, para a empresa onde trabalha ou para o seu negócio?

Pois é, muita gente fala nisso, mas, na hora “H”, muitas vezes não sabemos direito como usar essa importante ferramenta de planejamento estratégico organizacional.

Como-o-CRM-Ajuda-na-Expansão-de-seus-Negócios

Saiba mais: Infográfico: 7 estratégias de vendas matadoras para empresas

Portanto, vamos começar pelo princípio: por que SWOT?

SWOT é a sigla contendo as iniciais em inglês para as palavras Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças, que são as seguintes:

 

  • Strengths = Forças
  • Weaknesses = Fraquezas
  • Opportunities = Oportunidades
  • Threats = Ameaças

 

É por isso que alguns preferem chamá-la de Matriz FOFA. Vamos passar para você, agora, algumas dicas práticas de como usar a matriz SWOT sem mistérios, confira!

Confira também: Comunicação eficaz na empresa: Estratégia, tática e operação

Entendendo as Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças em seu negócio

Há um ponto muito importante que é preciso frisar antes de iniciarmos a explicação sobre as Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças.

São os conceitos de Ambiente Interno e de Ambiente Externo na sua empresa.

Ambiente Interno: é tudo aquilo que você pode controlar. Tudo que está ao alcance de uma decisão administrativa e estratégica dentro de sua empresa. Não importa que seja muito difícil ou caro, como por exemplo, mudar toda uma fábrica para uma cidade em outro estado. Exemplos mais comuns de fatores ligados ao ambiente interno são:

  • Softwares empregados
  • Estilos de gestão
  • Política de cargos e salários
  • Portfólio de produtos ou serviços
  • Clima organizacional
  • Cultura da empresa
  • Maquinário utilizado
  • Localização
  • Canais de distribuição

E muitos outros.

Ambiente Externo: é tudo aquilo que a empresa não pode controlar. Tudo que está fora do alcance de uma decisão administrativa ou estratégica. É impossível (salvo engano) mudar o clima de uma região, ou fazer com que uma guerra termine em outro país que fornece matérias-primas para sua empresa. Mesmo no caso citado acima, da mudança da fábrica, caso haja uma lei ambiental em uma determinada cidade que proíbe este tipo de fábrica de se instalar lá, esse passará a ser um fator do ambiente externo. Veja mais exemplos:

  • Costumes e tradições da população
  • Legislação trabalhistas
  • Alíquotas de impostos
  • Altas e baixas do dólar
  • Variação nos preços de insumos e matérias-primas
  • Desastres naturais como enchentes e terremotos
  • Problemas políticos internacionais
  • Guerras e conflitos
  • Clima e geografia

E vários outros do mesmo tipo.

Vamos relacionar agora as Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças com estes ambientes:

Forças e Fraquezas: Ambiente Interno

Você só pode considerar uma força, algo que possa usar e manipular ao seu favor dentro da empresa. É preciso ter controle sobre ela. Assim, alguns exemplos poderiam ser:

  • Profissionais altamente qualificados
  • Força de vendas experiente
  • Equipamentos modernos
  • Equipe de TI atualizada e pró-ativa
  • Localização invejável

Da mesma forma, as fraquezas são internas e você poderá tentar “fortalecê-las”, se necessário:

  • Comunicação pouco eficaz dentro da empresa
  • Excesso de erros na produção
  • Salários defasados
  • Maquinário obsoleto
  • Rede de distribuição falha

E assim por diante.

Oportunidades e Ameaças: Ambiente Externo

São ameaças exatamente porque você não pode atuar sobre elas diretamente. E, oportunidades, porque é preciso aproveitá-las antes que o cenário mude, veja:

Oportunidades:  

  • Financiamento especial do BNDES para aquisição de softwares
  • Clima quente atípico favorecendo a venda de certos produtos que fabrica
  • Queda do dólar, permitindo adquirir insumos do exterior por preços adequados

Ameaças:

  • Alta da taxa de juros
  • Inundações impedindo o tráfego de mercadorias
  • Políticas da OPEP aumentando o preço do óleo diesel

Conclusão: criando sua estratégia com a Matriz SWOT

Agora é preciso descobrir como as Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças interagem, entre si e determinar 2 coisas:

  1. Como suas forças podem potencializar as oportunidades e te defender de ameaças?
  2. Como suas fraquezas podem potencializar ameaças e atrapalhar as oportunidades?

Assim, usando os parâmetros exemplificados nos tópicos anteriores, poderíamos definir a seguinte estratégia:

  • Defender-se da ameaça da paralisação dos transportes (enchente) e da alta dos combustíveis, aproveitando a força da equipe de TI para implementar novos softwares na empresa, com o objetivo de vender nossos aplicativos de forma online e por assinatura, com ajuda da força de nossa experiente equipe de vendas.
  • Aproveitar a força de nossa equipe de TI para aproveitar a oportunidade de financiamento do BNDES para melhorar a fraca comunicação da empresa usando softwares em nuvem e colaboração no trabalho.

Entendeu o que está por trás da matriz SWOT? Existem diversas outras ferramentas de planejamento estratégico, como o Modelo de Negócio Canvas, o OKR, usado pelo Google, e até metodologias de implementação das tarefas definidas, como a famosa Técnica de Pomodoro.

O Importante é entender os cenários e aplicar as melhores ideias em sua empresa.

Veja mais: CRM em marketing: estratégia para a lealdade do cliente

Usando a computação em nuvem de forma estratégica

Imagine uma grande empresa de distribuição de um produto de consumo de massa e que precisa se comunicar agilmente com diversos pontos de toda uma região que domina.

Nada mais estratégico que usar a força da computação em nuvem para isso, adotando ferramentas como o G Suite (Google Apps for Work), o que trouxe muito mais confiabilidade à comunicação do Grupo LGH, distribuidor da Brasil Kirin no Nordeste, permitindo que todas as unidades possam realizar suas funções com o máximo de desempenho, sem se preocupar com a disponibilidade dos sistemas.

Confira o CASE em detalhes: Grupo LGH

Saiba mais