Criando uma cultura de mudança no Governo | Transformação Digital
(81) 3126-4100 [email protected]

Infraestrutura legada e formas ultrapassadas de pensar podem atrapalhar projetos de transformação digital no setor público.

Neste artigo, escrito por Oliver Pickup na Raconteur, em dezembro de 2020, nos deparamos com uma realidade vivida no setor público do Reino Unido, tão distante de nós geograficamente, mas tão perto na adversidades vivenciadas pelos órgãos brasileiros, principalmente neste de pandemia. Veja abaixo a tradução da matéria:

As organizações do setor privado que começaram a transformação digital antes que a pandemia do novo coronavírus sufocasse os negócios, já estavam equipadas o suficiente para ajustar suas estratégias rapidamente e fazer as operações prosperar, mesmo diante do caos.

Aqueles que estavam atrasados na corrida, perceberam rapidamente que, para acompanhar o ritmo, precisavam investir em tecnologias digitais e acelerar os planos  para elevar a maturidade digital. Enquanto isso, aqueles que operam no setor público, sobrecarregados com sistemas legados e muitas vezes inadequados para a era digital, olham com inveja, girando seus polegares.

Um pequeno exagero, talvez, mas é uma banalidade dizer que o setor público é notoriamente lento em abraçar a tecnologia. Há uma sensação generalizada, entretanto, de que a COVID necessitou de um nivelamento em todo o setor.

Dada a mudança em massa para o trabalho remoto, a pressão sobre os serviços públicos, especialmente o Serviço Nacional de Saúde, e a necessidade imediata de simplificar as operações e reduzir os gastos, melhorando a eficiência, a transformação digital é crítica. Como os líderes empresariais do setor privado podem atestar, o gerenciamento de mudanças é fundamental ao implantar novas tecnologias e formas de trabalho.

Limitada pela infraestrutura legada não só o Brasil

Em pesquisa realizada pela Pure Storage, em novembro de 2020, uma empresa global de soluções de armazenamento de dados, escassos 6% dos trabalhadores do setor público no Reino Unido disseram estar “extremamente preparados para a pandemia”. Mais de dois terços (67 por cento) responderam que “a infraestrutura legada está impedindo o progresso da transformação digital”. Esse obstáculo leva ao “aumento dos custos operacionais, redução da eficiência e redução da agilidade operacional”, afirma Shaun Collings, diretor do setor público da Pure Storage no Reino Unido.

A pesquisa da organização sugere que oito em cada dez trabalhadores do setor público acreditam que metodologias ágeis e design-thinking são mais importantes agora do que antes da pandemia. “Claramente, muitos são limitados pela infraestrutura legada”, diz Collings. “Os desafios e turbulências que as organizações do setor público enfrentaram devem atuar como um catalisador para as revisões da infraestrutura de suporte e a consideração do que é necessário para o futuro.”

Este conselho é apoiado por novos dados da SAP, que indicam que 28 por cento dos funcionários públicos do Reino Unido dizem que ainda não possuem sistemas de TI adequados para apoiar o trabalho remoto. Leila Romane, chefe da SuccessFactors do provedor de software empresarial no Reino Unido e Irlanda, diz: “As organizações do setor público geralmente operam de forma independente e muitas são sobrecarregadas por uma infraestrutura de TI antiga e isolada, o que tornou a inovação digital mais desafiadora.

Gráfico com as principais lições aprendidas com a pandemia

A colaboração com parceiros de tecnologia adequados é vital

Embora os líderes do setor público possam perceber a necessidade e mostrar disposição para atualizar seus recursos digitais, existem, frustrantemente, muitos obstáculos a superar. A professora Julie Hodges, da Durham Business School, os enumera. Dentre as muitas barreiras, as restrições orçamentárias e a infraestrutura legada são as maiores. A falta de liderança e visão também tem uma classificação elevada, assim como a relutância em mudar entre gerentes e funcionários da linha de frente. Possivelmente, o mais limitante é uma cultura que não apóia a mudança transformacional, diz Hodges.

Hugill do PUBLIC concorda. “Juntos, cultura, habilidades e prática formam um obstáculo bastante significativo para envolver o setor público nos projetos”, diz ele, defendendo que empresas de tecnologia e startups devem ser consideradas em vez de parceiros tradicionais que podem não estar em melhor posição para conduzir adoção digital.

“Os funcionários do setor público caíram na rotina de ‘é assim que sempre fizemos’ ao escolher os fornecedores preferenciais. A verdade é que esses fornecedores costumavam ser escolhidos porque eram bons no que faziam há 30 anos, mas depois se tornaram melhores em ganhar contratos do que em inovar. ”

Cultura, habilidades e prática constituem um obstáculo bastante significativo para envolver o setor público nos projetos

Felizmente, há uma lista crescente de estudos de caso em que órgãos do setor público se uniram a organizações de tecnologia com grande efeito. Por exemplo, o Serviço de Ambulância do Nordeste (NEAS), uma organização de linha de frente totalmente móvel e essencial com 2.500 funcionários cobrindo 32.000 milhas quadradas, usa o Workplace, plataforma de comunicação do Facebook, para permitir que os funcionários se conectem e se comuniquem melhor uns com os outros.

“Quando a pandemia atingiu, eu queria um espaço seguro e protegido para a equipe fazer perguntas, desafiar uns aos outros, compartilhar histórias e nos ajudar a construir uma equipe mais forte e uma cultura de apoio”, disse Helen Ray, executiva-chefe da NEAS. “O local de trabalho nos ajudou a deixar de ter conversas a portas fechadas para mais abertura e transparência. A plataforma de mídia social ajudou a nos aproximar e a criar um sentimento de pertencimento ”.

A última palavra de conselho para líderes do setor público que buscam navegar em sua jornada de transformação digital , que uma vez iniciada, nunca deve parar, vem de Romane da SAP. “Para promover mudanças em qualquer organização, os líderes precisam primeiro ouvir seus funcionários, especialmente aqueles que estão na linha de frente”, diz ela. “Em seguida, capacite-os com as ferramentas e o treinamento para gerenciar a mudança de forma eficaz e eficiente. Por fim, crie um mecanismo para que eles colaborem e forneçam feedback sobre qualquer aprendizado sobre suas experiências”.

Saiba mais