4 erros graves cometidos ao implementar computação em nuvem | Safetec
(81) 3126-4100 [email protected]

Grandes investimentos e serviços diferenciados prestados pela computação em nuvem não deixam dúvida de que ela está sendo amplamente adotada pelas empresas — a IDC, por exemplo, afirma que a cloud computing é a grande responsável por manter o mercado de TI no Brasil em alta. No entanto, cada empresa é diferente e por isso suas aplicações, seus graus de confidencialidade, bem como o nível de apoio necessário, também devem ser tratados de forma diferente. Além disso, a computação em nuvem tem diferentes ofertas (infraestrutura, softwares, armazenamento, plataformas etc.) e modelos de implementação para atender às necessidades de negócios variados.

O que não muda, porém, são alguns princípios básicos que devem ser observados para não errar. Veja, a seguir, quatro erros graves cometidos ao implantar computação em nuvem:

1. Implementar o modelo errado de nuvem

A escolha da nuvem adequada é o princípio do sucesso. Como as empresas podem escolher entre nuvens públicas (compartilhadas com outras empresas), privadas (para atender às diversas unidades do mesmo negócio) e híbridas (a mescla da pública com a privada), é preciso saber qual delas atenderá o negócio com mais assertividade.
A implantação do modelo errado, muitas vezes, está relacionada a questões de economia de investimento, o que pode ser uma grande dor de cabeça a médio e longo prazo e gerar ainda mais custos.

2. Ter pressa na implementação

Inimiga do sucesso, a pressa para implementar uma solução de cloud computing pode colocar tudo a perder. Da escolha da melhor solução até o fornecedor ideal, tudo precisa ser visto com rigor e, a partir do momento em que se dá o start, é preciso não pular etapas.
Nesse caso também a confiança entre a empresa e o fornecedor de serviços em nuvem conta muito. Com cada um fazendo sua parte, a implantação gradual irá diminuir os impactos no dia a dia da empresa e sair o mais redonda possível.

3. Negligenciar a segurança da informação na nuvem

É um erro grave acreditar que os dados processados e armazenados na nuvem são de total responsabilidade do provedor. Logicamente, um bom fornecedor tem know-how para lidar com as complexidades da segurança e está atualizado no que diz respeito a ferramentas e práticas de segurança, mas a equipe de TI interna da empresa também deve se preocupar com a questão.
Por mais que um contrato responsabilize o provedor, se acontecerem erros ou falhas a imagem da empresa pode entrar em declínio perante o mercado. Daí a importância de levantar as necessidades de segurança antes mesmo da implantação e repassar isso ao fornecedor, além de orientar os usuários quanto ao não compartilhamento de chaves de acesso, entre outras práticas que podem colocar a segurança dos dados em perigo.

4. Não elaborar um bom plano de contingência

Por acreditar na segurança total de seus dados na nuvem, muitas empresas se esquecem de um plano de contingência para o caso de o provedor ter algum problema. Se a infraestrutura física do fornecedor sofrer um incêndio ou um alagamento, por exemplo, o que ele fará para que os dados de seus clientes estejam a salvo? É preciso perguntar isso e documentar contratualmente.
Da mesma forma, como a equipe interna de TI irá lidar caso sofra uma interrupção por mudanças na legislação se seu fornecedor de cloud possui datacenteres fora do Brasil, por exemplo, ou mesmo se o provedor falir? São exemplos extremos, mas que precisam ser pensados antes de definir o acordo de níveis de serviço (SLA), para evitar problemas futuros.

Cloud Advisor: busque apoio especializado para não errar ao implementar cloud computing

Uma boa solução para não incorrer nesses erros é contratar uma empresa de Cloud Advisor, ou seja, uma empresa que apoie o seu negócio na escolha da nuvem e também oriente todo o processo de implantação, do levantamento de requisitos à implementação em si, passando por aconselhamento e consultoria de profissionais altamente especializados que apoiem na transição e na adaptação da nova realidade.
Sua empresa está preparada para implementar computação em nuvem? Você tem mais alguma dúvida? Deixe seu comentário!
 

 

Saiba mais